Escrito por José Borlido

2018 05 21 00001Realizou-se no dia 21 de maio, pelas 21,15 horas, no Centro Paulo VI em Darque, a 13ª. Sessão de Escola do MCC, em que foi palestrante o Dirigente e membro do Secretariado Diocesano do MCC; Joaquim Carlos Almeida Miguelote de Castro, da Paróquia de Carreço, que apresentou o Tema: “Como perseverar no MCC “ «Meios de Perseverança»;

Carlos Miguelote começou por se referir aqueles que nos dão o testemunho de perseverança, como é o caso da frequência desta Escola de Cursilhistas e acentuou: cada um de vós tem um motivo diferente para estar aqui, mas é por Jesus Cristo que aqui estamos todos. Falou da sua entrada no Centro Paulo VI para fazer o seu Cursilho e o que isso mudou a sua vida; porque no Cursilho temos uma vivência forte com Cristo, que nos leva a uma mudança de vida, na vivência de um cristianismo alegre e autêntico, no amor a Deus e aos Irmãos.

Perseverança: No Cursilho descobrimos um Cristo vivo, mas não O descobrimos completamente, temos que O ir descobrindo ao longo da vida; Perseverar é sermos santos e ajudar os outros a serem santos; mas não um santo de outros tempos, mas um santo atual, que vive no mesmo tempo que nós.

O palestrante falou-nos em seguida do ideal de cada um, referindo é importante ter um ideal, mas que isso não chega, é preciso lutar por ele, mesmo que nos pareça que a meta traçada é inatingível; no nosso posicionamento no hoje das nossas vidas, na necessidade de sermos santos; santos no amor aos pais, nos filhos, no funcionário, no patrão, no vizinho, em todos os nossos irmãos e estar-mos cientes da dependência de Cristo na nossa vida.

Qual é o segredo da perseverança; questionou! São vários os meios de perseverança e o Movimento tem meios para nos ajudar a perseverar, como é a Reunião de Grupo e a Ultreia, que são meios essenciais para perseverar.

A reunião de Grupo deve ser uma reunião de amigos, em que sintamos amizade e o desejo de permanecermos amigos, entusiasmados a viver uma vida de santidade, tendo Cristo sempre presente em cada momento da nossa vida.

Falou-nos da importância em manter equilibrado o tripé do Cursilhista “Piedade, Estudo e Acção” O senhor espera de nós Cristãos alegres e ativos.

Piedade: Cristo conhece a tua e aminha vida de Piedade, o que Ele quer é que a vivas na tua vida.

Estudo: Porque não no Grupo meditar um texto Bíblico, Carta Pastoral ou Exortação Apostólica, que alicerça o compromisso que deve sair da reunião de Grupo.

Acção: A acção Apostólica tem que ser vivida com verdadeiro sentido de amor a Cristo, pois é com o nosso compromisso saído do grupo e o nosso testemunho que levaremos outros irmãos a viver a experiencia de um Cursilho.

“O tripé do Movimento dos Cursilhos de Cristandade é Cristo e amizade”; o Cursilhista deve respirar amizade e alegria e assim convenceremos outros a aproximarem-se mais de Cristo.

Não queremos nem devemos ser doutores, mas queremos ser Dirigentes na família, no trabalho, na sociedade, em todas as situações da nossa vida.

E terminou dizendo: Se os Grupos ou a Ultreia não funcionam bem nas nossas Paróquias, a culpa é de todos nós; vejamos a Ultreia e o Grupo como se nos estivéssemos a ver a nós próprios.

Este é um pequeno resumo de um trabalho profundo e testemunhal que nos foi apresentado pelo Carlos Miguelote e nos deixou a certeza de que: com a frequência dos meios disponíveis pelo Movimento, uma forte vivência de Amor a Jesus Cristo e aos irmãos; alimentando-nos da Palavra e da Eucaristia e dando testemunho de um Cristo Vivo, presente no meio de nós e em comunidade é possível perseverar e caminhar rumo à santidade e levar outros ao encontro com Cristo.

Pode ver aqui fotografias desta Escola.